Não podemos lutar contra a natureza, John. Não podemos lutar contra a mudança, não podemos lutar contra a gravidade, não podemos lutar contra nada. Minha vida toda, tudo que fiz foi lutar...

- DUTCH VAN DER LINDE


Dutch Van der Linde é um protagonista e antagonista da série de Jogos Red Dead Redemption. Aparecendo no primeiro Red Dead como um vilão e no segundo como um dos personagens principais.

História[editar | editar código-fonte]

Background[editar | editar código-fonte]

Dutch nasceu em 1855, filho de uma mãe inglesa chamada Greta Van der Linde e um pai holandês em algum lugar perto da Filadélfia.

Seu pai lutou pela União na Guerra Civil dos EUA e morreu na famosa batalha de Gettysburg.Por causa da morte de seu pai, Dutch desenvolveu um ódio profundo por sulistas.

Dutch não tinha uma boa relação com sua mãe, era desobediente, por isso saiu de casa aos quinze anos. Sua mãe viria a falecer em 1881, Dutch só descobriria uns anos depois com informações de um tio seu.

Dutch valorizava liberdade e independência acima de tudo, sonhando com uma sociedade anarquista futura. Para atingir seus desejos, ele recorreu a uma vida de crimes.

Após uns anos atuando como fora-da-lei, Dutch conhece Hosea Matthews numa fogueira na estrada para Chicago. Hosea tentou roubar sua comida mas logo depois percebeu que Dutch tinha feito o mesmo com ele.

Impressionados, eles riram, e então decidiram formar a Gangue Van der Linde.

Dutch e Hosea começaram sua carreira de crimes na cidadede Kettering, Ohio, onde se passaram por comerciantes estrangeiros, que arrecadavam fundos pra uma empresa de navegação portuguesa fictícia.Eles "arrecadaram" 300 dólares de doze idiotas locais que conseguiram enganar.

O plano não deu muito certo no final, pois o Xerife Carmichael conseguiu prendê-los logo depois.

Em 9 de Março de 1877, Dutch e Hosea escapam da prisão de algumma forma, amarrando e roubando o xerife no processo.

No mesmo ano, eles se deparam com um órfão de rua de 14 anos chamado Arthur Morgan, no qual decidem acolher, esinando-o a ler, escrever, caçar, nadar, montar, fazendo do menino seu jovem aprendiz, tornando dele o terceiro membro da gangue.

Mais tarde naquele ano, Dutch se relaciona com uma moça chamada Susan Grimshaw, que se torna membro da gangue, trocando ela logo depois por uma mulher chamada Anabelle, na qual se apaixonou.

Dutch conhece uns anos depois Colm O'Driscoll, lider de uma gangue chamada de O'Driscoll Boys, os dois tinham uma relação incomoda pois Dutch nunca gostou de como Colm tratava seus homens e Colm sepre zombou sua filosofia de criar um mundo melhor, o que causou a tregua entre os dois. Não se sabe por que, mas Dutch mata o irmão de Colm, que, como vingança, mata a mulher de Dutch, Anabelle, fazendo os dois terem um odio eterno um pelo outro.

Em 1887, Dutch encontra um garotinho de doze anos sendo espancado por um monte de mendigos de Illinois, então ele intervem e salva o jovem garoto, que diz ser John Marston, no qual ele acolhe e lhe da a mesma educação que Arthur, fazendo ele se tornar mais um membro da gangue.

Dutch ganha seu primeiro cartaz de procurado nesse mesmo ano, quando invade um banco com Hosea e Arthur, dividindo o dinheiro roubado com pobres da cidade.


Naquela época, Dutch era um malandro altruísta e idealista, acreditando que a gangue poderia fazer a diferença no mundo. Ele se transformou em uma espécie de Robin Hood, pegando dinheiro dos ricos que o possuíam e dando aos pobres e destituídos que precisavam. Ele se via como um símbolo do Velho Oeste em sua forma romantizada, e um campeão humanitário do povo, se opondo ao controle do governo, apoiando a liberdade individual e punindo a crueldade humana geral e o egoísmo. Sua imagem romântica e carisma inspirou sua gangue a acreditar em sua visão anarquista de uma "utopia selvagem", e foi em nome de Dutch e sua causa que eles cometeram muitos crimes violentos como assassinato e roubo.


Personagem[editar | editar código-fonte]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Rdr dutch van der linde.jpg

Dutch parece ter uma filosofia semelhante a outros personagens de Red Dead Redemption. Ele tem uma visão de mundo anarquista e parece querer um lugar que siga as linhas de uma Sociedade Caçadora-Coletora, um mundo que se opõe à tecnologia e ao controle governamental e onde os homens lutam para sobreviver e viver o estilo de vida que escolhem, livre de quaisquer regras e regulamentos; um mundo onde os homens vivem de forma muito semelhante ao que viviam no velho oeste selvagem. O holandês mostra uma aversão e desprezo comuns por cidades urbanas cultas como Blackwater ou cidades industrializadas como Saint Denis. Como esses locais servem como um monumento à progressão tecnológica e industrial, Dutch os repugna. Van der Linde pensa que a progressão tecnológica e industrial são formas poderosas de o governo federal exercer autoridade e controle sobre a população.

Outra parte da filosofia de Dutch parece ser o desejo de voltar aos velhos tempos. Enquanto o Novo Oeste do século 20 promove roupas, tecnologia e civilização, ele parece querer voltar ao Velho Oeste do século 19, que promove a sobrevivência, disciplina e preparo físico e usa habilidade e coragem para superar as adversidades. À medida que a cultura no oeste progride em direção a uma visão modernista que elogia e recompensa a conformidade forçada, a incorporação, a ordem e o emprego em uma grande escala social. Van der Linde prefere que as pessoas permaneçam civilizadas onde estão e permitem que o Velho Oeste sobreviva da forma a que se acostumou, e se o Governo Federal não permitir que ele ou seu povo vivam da maneira que desejam, ele lutará por seu direito percebido de viver como deseja.

Deve-se notar que a forte ênfase do Dutch em valores pessoais como liberdade, igualdade, tolerância cultural e lei natural se alinha com as ideias do Iluminismo que abrangeram o movimento da Idade do Iluminismo durante o século XVIII. Muitos dos modelos e teorias propostos durante essa época são correntes de pensamento que Dutch freqüentemente usa para compartilhar suas crenças. Van der Linde é um usuário frequente do Contrato Social, que é um modelo de exame do esclarecimento usado para destacar como os indivíduos em uma sociedade entregam suas liberdades a um poder ou autoridade superior. A cosmovisão de Dutch afirma que a lei e a ordem política não são naturais nem dependentes do governo e que os direitos humanos são universais e inalienáveis. Dutch frequentemente lamenta que na América cada vez mais modernizada, os direitos e liberdades individuais devem ser sacrificados a uma autoridade que ele considera gananciosa, desonesta, exploradora e preconceituosa. O Velho Oeste é o ambiente perfeito para uma sociedade baseada nos direitos naturais, e é por isso que ele se opõem violentamente a qualquer coisa que ameace acabar com esse estilo de vida.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Dutch é um assassino impiedoso que justifica matar pessoas inocentes ou homens da lei como forma de combater a corrupção do governo federal. Apesar de seus modos brutais, Dutch mostra-se educado e, ao contrário de muitos bandidos, acredita genuinamente que está cometendo esses crimes por motivos idealistas, e não por ganância. Seu idealismo anti-governo e pró-individualista combinado com seu carisma natural para atrair um séquito de pessoas que haviam sido oprimidas pela sociedade em que viviam. Vários membros da gangue eram órfãos, minorias, bêbados da cidade ou ex-prostitutas; pessoas que sentiam que não tinham propósito até se juntarem à gangue. Isso criou um forte senso de unidade dentro do bando e um grande senso de lealdade ao Dutch dentro dele.

Apesar de às vezes ser bastante brutal em seus métodos, Dutch costumava brincar com seus colegas de gangue e tinha um temperamento gentil e brincalhão com eles. Ele costumava fazer discursos motivacionais para encorajar a gangue a se unir em tempos difíceis, enquanto pregava que "lealdade" e "fé" estavam entre os princípios mais elevados e honrados. Antes da morte de Hosea, ele costumava consultar a ele e a Arthur sobre decisões importantes, colocando-as em discussão e votação entre os três ao decidir o destino da gangue, demonstrando o quanto suas opiniões significavam para ele.

e honrados. Antes da morte de Oséias, ele costumava consultar a ele e a Arthur sobre decisões importantes, colocando-as em discussão e votação entre os três ao decidir a direção da gangue, demonstrando o quanto suas opiniões significavam para ele.

No auge de seu poder, Dutch demonstrou genuína compaixão por seus companheiros de gangue e os tratou como membros da família de uma forma que os fez sentir-se especiais. Ele os elogiou por sua resiliência e habilidade, agradeceu-lhes por sua lealdade e providenciou para que fossem supridos, alimentados e protegidos. Sua generosidade tornou-o querido para os novos membros, muitos dos quais conheciam pouco além da dureza, dor e luta. Sua capacidade de acreditar nos outros e ajudá-los a acreditar em si mesmos foi retribuída, pois eles, por sua vez, acreditaram nele. Ele empregou um sistema de comando altamente flexível dentro da gangue. Embora ele exigisse que os membros dessem lealdade e fizessem sua parte pela gangue como um todo, ele também os encorajou a serem eles mesmos, fazer uso do seu tempo livre e otimizar seus próprios talentos e conjuntos de habilidades, mostrando o quanto Dutch é astuto e manipulador.

Ao longo de sua vida, Van der Linde foi conhecido por demonstrar uma coragem incrível que foi muito admirada por seus seguidores. Especialmente com o desenrolar dos acontecimentos em 1899, seu medo muitas vezes se transformava em imprudência. Ao enfrentar líderes de gangues rivais, homens poderosos ou agentes da lei, Dutch muitas vezes não teve escrúpulos em confrontar esses oponentes de frente. Ao se deparar com um perigo iminente e tiros enquanto chamava os Braithwaites, por exemplo, ele ficava à frente de sua gangue, procurava pouca cobertura e enfrentava a família da maneira mais direta possível. Ele tinha a maior fé em sua gangue para superar quase qualquer situação, independentemente das probabilidades, e considerava seus tenentes mais capazes, como Arthur Morgan e John Marston, como suas maiores cartas na manga.

A perseguição implacável dos Pinkertons, junto com a pressão cada vez maior da civilização que a gangue Van der Linde enfrentou durante seus meses finais, começou a afetar Dutch. Ele se tornou mais movido pelo ego, dinheiro e vingança, começando a desprezar qualquer pessoa que o questionasse. À medida que seu comportamento se tornava mais agressivo, violento e errático, o mesmo acontecia com seus planos. Dutch cruelmente matou figuras poderosas como Angelo Bronte e Leviticus Cornwall apenas por vingança, sem se preocupar com o resultado, indo contra seus princípios de que a vingança era um jogo de tolos. Isso aumentou a atenção da aplicação da lei e levou a consequências mais perigosas para a gangue como um todo, mostrando o lado instável de Dutch.

ideologia anterior de que a vingança era um jogo de tolos. Isso aumentou a atenção da aplicação da lei e levou a consequências mais perigosas para a gangue como um todo.

Após o desastroso assalto a banco em Saint Denis, Dutch controlou com mais força a gangue e levou ao extremo sua valorização da lealdade, rotulando qualquer pessoa que o questionasse como um 'duvidoso' e diminuiu as liberdades que os outros membros de sua gangue tiveram. Isso tornou mais fácil para ele tomar decisões planas que decidem o curso da gangue, sem receber qualquer contribuição ou crítica dos seus liderados. Ao contrário de antes, ele passou a valorizar cada vez menos a opinião de Arthur, já que o homem passou a duvidar de suas escolhas que fugiam dos princípios da gangue, assim consultava mais o Micah porque ele nunca o questionava. Sempre que um membro da gangue duvidava das ações de Dutch, ele imediatamente considerava tal ação uma traição e a pessoa que o fazia como uma ameaça para o futuro da gangue.

Dutch comumente se referia a John Marston e Arthur Morgan como seus irmãos ou filhos. Com o próprio Dutch e Hosea se tornando figuras paternais para os dois, implementando uma relação de família com os membros da gangue que ficaram com ele por vários anos. No entanto, à medida que Dutch se tornava mais niilista e paranóico, Arthur e John começaram a questionar sua liderança e decisões, fazendo com que Dutch se tornasse cada vez mais ressentido e desconfiado de seus motivos. Sua paranóia e desprezo pelos "céticos" é mostrado quando Dutch deixa John e Arthur para morrer, bem como deixa John para ser preso por Pinkertons durante o assalto a banco em Saint Denis.

Com Arthur, fica claro que Dutch o deixou deliberadamente para morrer quando ele poderia tê-lo ajudado. No entanto, uma vez confrontado por Arthur sobre o assunto, Dutch rapidamente nega isso e ignora o comentário de Arthur, enquanto diz a ele para não ser um "tolo". No caso de John, Van der Linde estava secretamente furioso porque Marston desejava estar com sua família; isso era prova de deslealdade aos olhos de Dutch, e sua ação de abandonar John, mentir para Arthur sobre as circunstâncias disso e então negar quando confrontado por John aumentam os exemplos de sua tendência de perder o interesse por qualquer um que não o seguisse cegamente , como ele os percebeu como um traidor. Podemos ver que ele se torna aos poucos o que ele mais odiava: um líder autoritário, não existia mais liberdade.

Uma prova de quanto Dutch valorizava a lealdade pode ser visto em seu relacionamento com Micah Bell. Durante os últimos dias da gangue Van der Linde, Micah se tornou o consultor de maior confiança de Dutch; ao contrário de Arthur, Micah nunca questionou abertamente qualquer uma das ações de Dutch, não importando quais fossem. Isso fez com que Dutch confiasse tanto em Micah que, quando foi revelado que este era o espião Pinkerton, Dutch não conseguiu admitir o fato, mesmo depois de Micah ter atirado e matado Susan Grimshaw. Anos depois, Dutch finalmente aceitaria a traição de Micah e atiraria no mesmo.como vingança.

Anos depois, Dutch finalmente aceitaria a traição de Micah e a vingança exata.

Em 1911, o outrora desonesto idealista havia se tornado um maníaco louco e assassino que estava secretamente ciente de que todos os crimes horríveis que ele cometeu não mudaram nada no governo ou na sociedade. Em seus momentos finais, Dutch expressou remorso por suas ações, comparando-se a um monstro e dizendo a John que ele não conseguia parar de lutar por suas ideias - apesar da futilidade disso - porque ele era incapaz de combater sua própria natureza fundamental. Antes de cometer suicídio, Dutch disse a John: "Nosso tempo passou", significando sua aceitação de que o modo de vida do Velho Oeste estava morto , assim como sua vontade de viver com ele.

Aparência[editar | editar código-fonte]

Antes de 1899, Dutch era barbeado e tinha um cabelo longo e negro, além de penteado pra trás.

Em 1899, Dutch van der Linde é visto com um bigode negro acima dos lábios, um cabelo liso preto enrolado no final coberto por um chapéu da mesma cor e com um nariz grande. Era sempre visto usando roupas extravagantes, coletes luxuosos com correntes penduradas além de relógios e anéis presos aos braços e dedos.

Em 1907, Dutch está com uma barba espessa com pingos cinzentos, ele parece estar um pouco mais calvo, com o cabelo mais longo além de rugas na testa que se tornam mais visíveis.

No ano de 1911 ele se encontra totalmemte acabado, com o bigode, bem menos cabelo e abaixo do peso.

Frases[editar | editar código-fonte]

Nosso tempo passou, John.

- DUTCH PARA JOHN ANTES DE COMETER SUICÍDIO

Não somos ladrões, somos foras-da-lei.

- DUTCH VAN DER LINDE

John? Insiste?

- DUTCH PARA ARTHUR MORGAN

Nós não podemos lutar contra a natureza, capitão. Nós não podemos lutar contra a mudança. Nós não podemos lutar contra a...gravidade

- DUTCH VAN DER LINDE PRA SOLDADOS ANTES DE PULAR PRO RIO

Dutch van der Linde - RDR2 1907.png

ja:ダッチ・ファン・デル・リンデ

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.